Monumento da Praça do Relógio recebe pintura que destaca a beleza do bem histórico

    Com a cobertura de cerca de dez cores e tons, a pintura do monumento que dá nome à Praça do Relógio, no centro histórico de Belém, recuperou a beleza e a riqueza de detalhes da peça histórica de fabricação inglesa, da primeira metade do século XIX. O relógio está entre as três únicas peças ainda existentes no mundo.

    Os elementos da arquitetura de ferro da praça foram importados da Europa. Além do relógio, também integram o logradouro, os postes de ferro fundido com quatro luminárias pendentes, posicionados um em cada canto da praça. A pintura desses elementos é uma das etapas finais da obra de reforma e restauro do cartão postal, que tem previsão de entrega no próximo mês.

    “Enquanto avançamos na pintura, estamos providenciando a produção das luminárias de vidro dos quatro postes decorativos da praça. A empresa que ia produzir fechou, por consequências da pandemia e, desde então, estamos buscando outra empresa que possa atender a demanda. Além disso, falta apenas o restauro do piso na base da torre e da pedra de lioz, além da finalização do paisagismo e das instalações elétricas”, detalha o diretor de Obras Civis, da Secretaria Municipal de Urbanismo (Seurb), Reinaldo Leite.

    Pesquisa – De acordo com a diretora do Departamento de Planejamento Urbano (DEPL), Débora Leite, as cores do relógio foram definidas a partir de um rigoroso trabalho de pesquisa dos arquitetos autores do projeto e dos arquitetos da Prefeitura de Belém, com o acompanhamento dos órgãos de proteção do patrimônio histórico e testes realizados pelo Laboratório de Conservação, Restauração e Reabilitação (LACORE).

    Os detalhes decorativos ganharam as cores originais de volta, reacendendo todo valor histórico da peça. Os quatro medalhões símbolos das quatro estações do ano retomaram a cor dourada. A cúpula recebeu um tom de azul. A torre de ferro, com 12 metros de altura, que sustenta o relógio também foi restaurada e ganhou diversos tons de cinza. Cerca de quatro pessoas cuidaram apenas do trabalho manual e minucioso de pintura do monumento.

    “Todo o trabalho de pesquisa das cores do relógio foi baseado no projeto do arquiteto Geraldo Gomes, de 1993. Foi feita a prospecção pictórica e realizados diversos testes em laboratório. Também foi necessário fazer pesquisas para atualizar as referências das cores, pois muitas delas já haviam mudado de referência. Tudo para recuperarmos a beleza original deste patrimônio ímpar que tem grande valor histórico para nossa cidade”, explica a arquiteta.

    Renovação – Além de toda beleza arquitetônica e estética, o Relógio será devolvido para a população com ponteiros funcionando, mostrador com iluminação interna e sirene elétrica responsável pelo badalar em alguns horários. Uma empresa especializada em relojoaria foi contratada somente para esse trabalho.

    O Departamento de Iluminação Pública (DIP), da Seurb, também atua na obra dando apoio nas instalações elétricas da praça para acender as luminárias dos postes decorativos e os refletores em LED que serão usados na iluminação externa de todo o monumento.

    Obra – A obra na Praça do Relógio começou em dezembro de 2019, com valor de investimento em torno de R$ 409 mil. Dentre os serviços já realizados na praça estão o restauro e pintura dos postes de iluminação, recomposição de todo o calçamento em pedras portuguesas, recuperação do meio fio, aplicação de piso tátil e rampas de acessibilidade e colocação de grama.

    COMPARTILHAR