Polícia Civil divulga retrato falado de suposta sequestradora de recém-nascido



    A Polícia Civil do Pará divulgou, nesta terça-feira (23), o retrato falado da suposta sequestradora de um recém-nascido ocorrido na Fundação Santa Casa de Misericórdia, nesta madrugada. Agentes da Diretoria de Polícia Metropolitana Brás continuam realizando diligências e analisando imagens do circuito interno de segurança do hospital.

    Nesta terça, a polícia prendeu Jaqueline Lima de Souza, que foi autuada pelos crimes de sequestro e expor a vida ou a saúde de outrem a perigo direto e iminente. Um homem, que havia sido detido pela Polícia Militar junto com a mulher, foi ouvido e liberado após a constatação de que ele não teria participado da ação criminosa. Somente nesta tarde, cinco pessoas prestaram depoimento na condição de testemunha.

    Durante o interrogatório realizado na seccional da Cremação, a suspeita informou que esteve internada na Santa Casa no mês de maio. De acordo com as investigações e depoimentos de testemunhas, Jaqueline não teria agido sozinha.

    “De acordo com a análise das imagens e entrevistas com testemunhas, enfermeiros, médicos, chegamos a conclusão que possivelmente a pessoa que subtraiu a criança teria saído pela janela da enfermaria. Até o presente momento, não conseguimos detectar imagens de pessoa em atitude suspeita. Mas continuamos avaliando e diligenciando para encontrar a sequestradora. A Jaqueline foi encontrada de posse da criança e autuada” – delegado Marco Antônio Duarte, diretor de Polícia Metropolitana.

    Uma parturiente que está internada no hospital informou à Polícia Civil que, na madrugada, encontrou a mulher descrita no retrato falado dentro do banheiro da ala da enfermaria e que ela teria feito diversas perguntas à paciente.

    “A testemunha disse que a suspeita perguntou se ela tinha filhos, qual o sexo, se o parto foi normal ou cesariana. A paciente disse que ficou desconfiada com as perguntas, a atitude e também pela aparência”, ressaltou o diretor da DPM.

    Neste momento, os policiais civis analisam as imagens externas das adjacências da Santa Casa, para tentar identificar pessoas saindo do hospital com criança no colo, sacola ou em qualquer ação suspeita. A polícia pede que quem tiver informações acerca de pessoas supostamente envolvidas no sequestro do recém-nascido entrem em contato através do disque denúncia 181.

    Retrato Falado – A Polícia Civil reitera sobre a necessidade de a população efetuar a denúncia caso veja uma mulher na rua parecida com o retrato falado. Os atos de espancamentos, linchamentos ou aprisionamentos de suspeito, por parte da população, como medida alternativa, são enquadrados em modalidade criminal, segundo o código penal brasileiro, e prevê pena de detenção de 15 dias a um mês, ou multa, além de pena correspondente à violência praticada, seja por homicídio, ou lesão corporal, por exemplo.

    COMPARTILHAR