Alimentação Animal registra 3% de crescimento ao fim do terceiro trimestre

    De acordo com estimativas do Sindicato Nacional da Indústria de Alimentação Animal, o incremento apurado pela indústria, contabilizado até setembro, surpreendeu positivamente e avançou 3%, resultando 52,8 milhões de toneladas de rações.
    “Projetando aumento na demanda e uma reação mais vigorosa das principais cadeias produtivas durante os três últimos meses, é provável que a produção em 2019 revele uma expansão ainda maior, amparada por conta da melhora de diversos indicadores de atividade, bem como aqueles ligados à pauta exportadora, ao varejo e a confiança do consumidor”, revela Ariovaldo Zani, CEO do Sindirações.
    A expectativa positiva, que contagia a economia em geral, é resultado da flexibilização monetária e da inflação controlada, das reformas trabalhista e previdenciária, da expansão agropecuária ancorada nos grãos e nas carnes e da melhora na percepção do risco-país. No entanto, algumas incertezas ainda existem, por conta da tensão comercial entre americanos e chineses; da instabilidade política da “Primavera Latina” que sacode o Chile, Argentina, Colômbia, Bolívia e Equador; e o relativo desinteresse dos investidores estrangeiros frente ao crescimento do PIB brasileiro, ainda pouco animador.
    “Nosso prognóstico, de um próspero 2020 àqueles empreendedores que atuam com ética, boa-fé e respeito às regras do jogo, encontra ressonância nas medidas de intervenção mínima do Estado sobre as atividades privadas, tais como a promulgação do conjunto de princípios que reforçam a liberdade econômica, o “revogação” de leis e atos normativos concomitante à análise do seu impacto regulatório, e do programa de autocontrole nos estabelecimentos de alimentação animal”, complementa Zani.
    COMPARTILHAR