Hospital Regional em Marabá terá ações do Novembro Roxo

    Neste domingo (17) é comemorado o Dia Mundial da Prematuridade e, para alertar sobre o tema, o Hospital Regional do Sudeste do Pará – Dr. Geraldo Veloso (HRSP), em Marabá (PA), promove o ciclo de palestras para debater sobre “Prematuridade – Desafios e Cuidados”. As palestras, que acontecem na próxima segunda-feira (18), têm como objetivo alertar usuários e colaboradores sobre as consequências do nascimento antecipado para o bebê, família e para a sociedade.

    Uma gestação normal tem de 38 a 42 semanas de duração, e um parto é considerado prematuro quando acontece antes de 37 semanas. Entre as principais causas obstétricas para a prematuridade estão a hipertensão materna, diabetes gestacional e a pressão alta ou pré-eclâmpsia.

    Além disso, outros fatores podem levar ao parto prematuro: ausência do exame pré-natal, fumo, álcool, drogas, estresse, infecções do trato urinário, sangramento vaginal, obesidade, baixo peso, distúrbios de coagulação.

    Algumas anomalias congênitas do bebê, gestações muito próximas (menos de 6 a 9 meses entre o nascimento de um bebê e uma nova gravidez), gravidez fruto de fertilização in vitro e a idade da gestante (menor de 17 anos e após os 35), também podem influenciar.

    Debater a prematuridade não é algo comum e a falta de informação se torna um grande desafio para um parto seguro. A jovem Raiane dos Santos Silva, moradora de Dom Elizeu, cidade distante 227 Km de Marabá, está há 26 dias acompanhando o filho Kaik Santos Lima na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) neonatal do Hospital Regional.

    Prematuro, Kaik nasceu com 32 semanas de vida e 1.100 kg, e desde então, vem recebendo todos os cuidados da equipe multiprofissional do hospital. “Quando ele nasceu era muito pequeno e por ser prematuro, estava muito preocupada com que poderia acontecer. O meu filho é um milagre, hoje ele está forte e tem um sorriso encantador. Espero em breve ir para casa com ele”, comentou.

    Segundo a pediatra do HRSP, Mara Silva, para prevenir a prematuridade a mulher deve se preparar com antecedência e iniciar o pré-natal tão logo descubra a gravidez. O acompanhamento da gestação precisa ser regular e com qualidade, fazendo todos os exames pedidos. Evitar um estilo de vida estressante e ganho excessivo de peso também são fatores importantes. “Trabalhamos para minimizar os problemas ocasionados pela prematuridade, dentre os quais se destacam a imaturidade respiratória, digestiva e metabólica, além de sequelas relacionadas ao seu desenvolvimento neuropsicomotor”, explicou a pediatra.

    O hospital possui uma Unidade de Terapia Intensiva (UTI) Neonatal, composta por nove leitos e uma equipe multiprofissional formada por médicos, enfermeiros, técnicos de enfermagem, fisioterapeutas, nutricionistas e fonoaudiólogos, que monitoram constantemente os prematuros e recém-nascidos oriundos de 22 cidades da região.

    Novembro Roxo

    O Dia Mundial da Prematuridade tem como cor representativa o ‘roxo’, que simboliza a sensibilidade e individualidade, características peculiares dos prematuros. O movimento foi criado para chamar a atenção para um problema que atinge 15 milhões de crianças todos os anos ao redor do mundo. Os problemas da prematuridade vão além do baixo peso, um prematuro precisa de cuidados especiais na UTI, o que aumenta em três vezes o risco de morte e sequelas futuras para sua vida adulta.

    COMPARTILHAR