Violão Solidário alia arte e cidadania em oficinas de musicalização

    Arte também é revolução. E na Cidade Velha, ela se dá por meio dos acordes. Desde o começo deste ano, cerca de 90 crianças do bairro e entorno já participaram do projeto Violão Solidário, em oficinas ministradas por grandes nomes da música paraense. O projeto abriu uma campanha para continuar realizando sonhos e transformando realidades. Até dia 25 de novembro, o crowdfunding Violão Solidário no site Cartase recebe contribuições. O objetivo é arrecadar R$ 3 mil. O valor será investido na compra de instrumentos.

    O projeto é uma plataforma de valorização da cultura paraense, especialmente do violão enquanto instrumento fundamental na música popular brasileira. A iniciativa aposta na arte como meio de contribuir para a formação estética e cidadã de meninos e meninas entre 10 e 15 anos, estudantes de escolas públicas e advindos de famílias de baixa renda. O propósito é fazer da música ferramenta pedagógica e estratégica na redução da violência e diminuição da evasão escolar.

    “A relevância social deste projeto reside na certeza do papel fundamental da cultura na formação das crianças, e no potencial da arte em romper barreiras. Por meio da musicalização, estreitamos laços dos alunos com a escola, e fomentamos espaços de pertencimento e acolhimento. Já alcançamos um desdobramento que não estava previsto: alunos e alunas foram nos contando sobre suas realidades das mais diversas carências e episódios de violência, o que nos impulsionou a buscar o apoio de assistentes sociais e consultoria da Unicef para amparar esses jovens”, relata Narjara Oliveira, coordenadora geral do Violão Solidário, contemplado no Edital 004/2018 de Projetos Culturais com Relevância Social oferecido pela Prefeitura de Belém – FUMBEL / Pacto pela Paz, com apoio cultural da Universidade Federal do Pará através do Fórum Landi, Dicasa, Ná Figueiredo, Pró Music e Senda produções.

    Arte que transforma

    O primeiro módulo de oficinas, que atendeu 30 estudantes, foi realizado no Fórum Landi, com aulas ministradas por Diego Santos, professor do naipe de violões e regente do projeto Choro do Pará. No dia 29 de novembro, haverá o concerto de encerramento do novo módulo, ministrado pelo violonista e compositor Nego Nelson, que possui mais de 20 anos de experiência na área educacional, e 50 anos de carreira artística. Nesta segunda etapa, serão formados 60 alunos da Escola Estadual de Ensino Fundamental e Médio Rui Barbosa.

    “Somos uma escola de tempo integral. Preencher com atividades toda esta carga horária sempre foi um desafio. Então a chegada do projeto foi de uma importância imensurável. Nossos alunos, muitos com históricos de carências das mais variadas, se sentem estimulados, e só podem participar do projeto aqueles que tiverem presença nas aulas regulares e boas notas. Muitos deles relatam que já se veem como artistas e imaginam um futuro na arte. É emocionante”, relata Josefa Silva, coordenadora pedagógica da escola.

    Atualmente, cada turma comporta 15 alunos, que passam a integrar o projeto após audição seletiva. Para ampliar o número de vagas por turma, é necessário aumentar o número de violões. O projeto busca abrir as turmas do próximo ano com 20 vagas. Para tanto, será necessário adquirir mais cinco violões. “Além disso, quatro alunos que se destacaram nas oficinas serão presenteados com um instrumento cada. Para viabilizar as compras dos materiais, o crowdfunding é fundamental. Contamos com a contribuição de todo mundo que acredita na cultura como via de transformação social”, diz Narjara.

    Serviço

    Crowdfunding Violão Solidário, de 25 de outubro a 25 de novembro. Participe! (https://www.catarse.me/violao_solidario?fbclid=IwAR0F87ltRKxPQxLhCIoDny0W8AcY8LyD6eeY3K9T19M8QVMaRhK0MdlK0sU) 

    As cotas de doação começam no valor de R$ 25, e toda a verba arrecadada será investida na compra de instrumentos para a ampliação do projeto. Dia 29 de novembro, haverá o concerto de conclusão de oficina com os jovens músicos formados por Nego Nelson no projeto. O show será ao ar livre, na Praça do Carmo, às 18h.

    COMPARTILHAR