Belém dos encantos nas praças, nos rios, na arquitetura e na predominância do verde

    Belém chega aos 403 anos de fundação reunindo os encantos de uma cidade com uma bela arquitetura histórica e um rico patrimônio cultural que coloca a capital paraense como porta de entrada da Amazônia. Sua evolução cultural pode ser acompanhada pela beleza de seus pontos turísticos, como o Palácio Antonio Lemos, as tradicionais praças Batista Campos e da República, o Complexo do Ver-o-Peso com suas cores e sabores, os antigos casarões da Cidade Velha, além da beleza do Chalé Tavares Cardoso, recém-reformado em Icoaraci.

    A exuberância da cidade eterniza memórias e inspira histórias, como da arquiteta Letícia Mattos, de 25 anos. Quando mais nova, em excursões escolares e em passeios com a família ao centro histórico de Belém, Letícia ficava deslumbrada ao conhecer e aprender mais sobre o bairro da Cidade Velha. “Eu ficava encantada com a parte histórica da cidade e isso me influenciou a cursar arquitetura. Sou completamente apaixonada pela arquitetura da cidade e quero trabalhar com essa parte de restauração em patrimônios e monumentos históricos”, conta.

    Assim como a Cidade Velha despertou o desejo de Letícia na carreira de arquiteta, a praça Batista Campos desperta a nostalgia de momentos únicos para a jovem Adrya Freitas, de 23 anos. A praça é a memória viva dos momentos que Adrya passou na infância, quando passeava pelo local na companhia de um tio dela, já falecido. “Eu costumava visitar a praça junto com a minha família e incluindo meu tio, que era uma pessoa muito presente em nossas vidas. No final da tarde, já era rotina irmos à praça, quando brincávamos e nos divertíamos muito”, recorda.

    “Toda vez que visito a praça ela me traz essas memórias. Gosto de ver que hoje ela está preservada, e preservo isso em mim também, pois faz parte da história da minha vida. Foram muitos momentos bons”, explica. “Hoje estou grávida e formando a minha própria família. Pretendo levar meu filho para conhecer a Batista Campos. Acredito que enquanto estiver fazendo isso, a memória do meu tio vai estar viva dentro de mim”, completa Adrya.

    Além de lembranças afetivas, esses espaços turísticos se transformam em alternativas para quem gosta de relaxar e apreciar a paisagem. É o caso do paulista Fábio Soares, de 38 anos. Há oito anos em Belém, Fábio adotou a Casa das Onze Janelas como seu canto favorito na cidade. “É o lugar em Belém onde me senti mais à vontade e em paz. Sempre que posso volto ao local mesmo que seja para ficar alguns minutos”.

    Serviço:

    Aproveite o próximo dia 12 de janeiro, quando se comemoram os 403 anos da capital, para visitar alguns dos pontos turísticos de Belém. Confira o funcionamento de cada espaço neste sábado:

    – Bosque Rodrigues Alves Jardim Botânico da Amazônia: Das 8h às 17h, com venda de ingressos até as 16h. O ingresso custa R$ 2,00, com gratuidade para crianças menores de 6 anos, pessoas com deficiência e idosos.

    – Praça do Horto: Das 8h às 18h, com entrada gratuita.

    – Praças da cidade e espaços do Ver-o-Rio e Portal da Amazônia: todos com entrada gratuita e abertos ao público.