Adolescentes internos comemoram os 403 anos da Cidade das Mangueiras

    “É uma cidade maravilhosa que a gente tem, cheia de cultura. Por isso que eu fiz com prazer essa pintura quando pediram para eu fazer bem bonito”, disse Paulo*, adolescente de 16 anos interno da Unidade de Atendimento Socioeducativo (UASE) Ananindeua. Ele é autor do mural que retrata o Ver-o-Peso em homenagem ao aniversário de Belém, comemorado no próximo sábado, 12 de janeiro. A pintura foi resultado de uma programação realizada na UASE nesta quinta-feira (10), pelos 403 anos da capital paraense.

    Há 45 dias na unidade de internação da Fundação de Atendimento Socioeducativo do Pará (Fasepa), Paulo* foi um dos 16 adolescentes que participaram da programação. Sem algemas, ele mostra com orgulho sua obra feita apenas com régua, lápis, canetinha, massa e tinta spray, e revela ainda alguns de seus sonhos. “Quero fazer engenharia civil. Lá fora eu me envolvi com um monte de coisas, aqui dentro eu quero mudar a minha vida, para lá na frente ter minha família, estudar. Essa pintura tô dando de presente pro povo nosso daqui. Muitos desenhos ainda virão por aí”, promete.

    Um dos objetivos do evento, segundo a gestora da unidade, Sônia Cabeça, é valorizar o início da formação dos municípios. De acordo com a gestora, o mais importante é conseguir aproveitar as temáticas das programações para apresentar os talentos dos socioeducandos, muitas vezes subaproveitados. “Era um menino considerado bem negativo em Ananindeua. Com os atendimentos técnicos e acompanhamento de todos os servidores, ele de repente deixou florescer essa mudança. O nosso objetivo aqui é o socioeducando”,  explica a gestora que há oito anos atua na unidade.

    Programação – Além de recitação de poemas, apresentação musical, artesanato e exposição fotográfica dos pontos históricos de Belém visitados pelos socioeducandos, a programação contou com a apresentação de dança do grupo de idosos do Instituto de Desenvolvimento da Educação e Ação Social (IDEAS). Pela primeira vez em uma unidade socioeducativa, a coordenadora do grupo, Luiza Sampaio, afirma que está “encantada com o espaço, o cuidado com os alunos (socioeducandos), e com o quadro belíssimo que eu vi feito por um aluno. Isso mostra que eles são capazes de muita coisa”, conclui Luíza.

    O evento faz parte do planejamento anual da UASE e conta com a parceria dos servidores da Secretaria de Educação do Estado (Seduc), que além da garantia da educação formal, contribuem com o desenvolvimento sociocultural dos adolescentes durante as programações realizadas ao longo do ano.

    *Nome fictício para o adolescente privado de liberdade, com objetivo de garantir o direito da preservação de sua identidade segundo o ECA.