Saiba como escolher a sua escova de dente em 2019

    Cuidar da saúde bucal é fundamental e a primeira medida nesse sentido é saber escolher os produtos de higiene mais adequados. É importante ressaltar que a prática de escovar os dentes pode evitar diversos problemas e doenças ao longo da vida.

    Para iniciar 2019 cuidando muito bem da saúde bucal, o Conselho Regional de Odontologia de São Paulo (CROSP) traz dicas e informações importantes para a escolha de um dos principais itens da nécessaire: a escova de dente! Confira a seguir o que dizem os especialistas, lembrando sempre de consultar regularmente o seu cirurgião-dentista.

    A escova de dente

    De modo geral e para quem tem a gengiva saudável, as escovas de dente​ mais indicadas são as de cerdas macias. “Não precisa ser média, nem extra macia. De modo geral a mais indicada é simplesmente macia”, aponta a cirurgiã-dentista Luciana Scaff Vianna, da Câmara Técnica de Periodontia do CROSP.

    Em relação ao tamanho da escova, tudo depende da arcada dentária, do tamanho dos dentes e de seu posicionamento. “A habilidade do paciente na escovação, o tamanho e a força da mão também podem interferir na indicação”, diz ela.

    A cirurgiã-dentista acrescenta que os modelos de numeração 30 e 35 – fator relacionado com o tamanho da cabeça da escova de dente – são os mais usuais. A espessura das cerdas e recorte das pontas podem facilitar a limpeza total. Dessa forma, as chamadas slim parecem  ser uma boa opção.

    Vale destacar que sempre existem exceções nas recomendações, pois cada indivíduo tem as suas especificidades e por isso mesmo a consulta com o profissional é fundamental. O cirurgião-dentista detém todo o conhecimento técnico e científico para fazer as orientações mais adequadas caso a caso.

    E quem usa prótese?
    Para quem usa próteses totais ou removíveis a indicação para higiene das peças são as escovas de cerdas duras. “É importante também que elas sejam limpas periodicamente com produtos específicos antissépticos efervescentes ou bicarbonato de sódio”, aponta a profissional.

    Em caso de próteses fixas ou implantes é indicado também o uso de escovas interdentais que possuem cerdas cônicas ou cilíndricas. Elas auxiliam na higiene e nos espaços onde não há acesso para o fio dental.

    O modelo interdental também é o mais indicado para quem usa aparelho, pois a higiene apenas com escova comum pode ficar comprometida ou ser ineficiente.

    O melhor para as crianças é…
    Segundo a cirurgiã-dentista Silvana Frascino, da Câmara Técnica de Odontopediatria do CROSP, o modelo mais recomendado para as crianças são os que possuem a cabeça pequena, com cerdas macias. Muitas marcas têm modelos infantis e especificam a idade indicada na embalagem.

    “Para crianças de até três anos de idade é melhor usar as escovas de cerdas extra macias, com extremidade arredondada e cabo anatômico com boa empunhadura e poucas reentrâncias”, avisa a cirurgiã-dentista.

    Escova elétrica. Será que funciona?

    No Brasil ela não é tão popular, mas muita gente tem curiosidade a respeito da escova de dente elétrica. Existem vários modelos no mercado e ela é bem indicada  para quem apresenta algum tipo de limitação funcional ou habilidade reduzida. “Mas também pode ser usada por qualquer pessoa, já que muitos pacientes acham mais fácil o uso”, diz Luciana. O importante é remover a placa completamente.

    Embora não haja contraindicações, o preço costuma ser bem maior na comparação com os modelos comuns que proporcionam o mesmo efeito de limpeza.
    Armazenamento e troca

    O momento certo de trocar a escova bem como a forma correta de armazenamento também são importantes para que a higienização da boca não seja comprometida. De nada adianta comprar o modelo ideal e usá-lo além do tempo recomendado.
    A estimativa para troca é de três meses, mas se as cerdas desgastarem antes disso a recomendação é substituir, uma vez que a escova perde a sua eficiência na limpeza.

    Algumas escovas vêm com um indicador colorido no meio das cerdas que descolore apontando o momento da troca.

    Outro ponto importante é saber armazenar o produto da forma correta deixando-o longe de lixeiras ou vaso sanitário, em que a proliferação de bactérias costuma ser maior. Guardar dentro de embalagens específicas também é opção. “Desde que limpa e seca”, ressalta Luciana.
    Com todos esses cuidados e as visitas regulares ao cirurgião-dentista será mais fácil manter a saúde da boca em dia em 2019!

    COMPARTILHAR