O Hospital Metropolitano de Urgência e Emergência (HMUE), em Ananindeua (PA), inaugurou um espaço de acolhimento transitório para atender acompanhantes ou familiares de pacientes internados na Unidade de Terapia Intensiva Adulto (UTI), Centro de Tratamento de Queimados (CTQ) e Sala Amarela que é uma área que necessita de cuidados especiais para usuários em estado crítico. A iniciativa, apresentada na última quinta-feira (20/12), é de proporcionar toda a assistência necessária para aqueles que são de cidades do interior do Pará ou outro Estado.

Uma das primeiras pessoas a estrear o ambiente foi a Suelaine Galvão Brito, 39 anos, que acompanha a irmã, que está hospitalizada com queimaduras de terceiro grau no corpo. Ela explica que o acidente da irmã foi na residência, após fazer café em um fogão de duas bocas em que teve 63% do corpo queimado.

A acompanhante diz que está esperançosa com a recuperação da irmã e que nunca imaginou receber toda a atenção da equipe Assistencial do Metropolitano. “O caso dela foi dado pelos médicos de Araguaína, no Tocantins, sem chances de sobrevivência. Busquei o Ministério Público, imprensa, prefeitura até conseguir a transferência para um hospital de referência em queimados”, explica.

De acordo com o diretor Hospitalar do HMUE, Itamar Monteiro, este espaço significa que a Unidade se preocupa com o ser humano. “Entendemos que essas pessoas que estão acompanhando os seus entes queridos, precisam de um lugar para ficar. Então criamos este ambiente para que possam se sentir mais valorizados e com mais conforto e acolhedor para descanso físico e emocional”, enfatiza.

O espaço de acolhimento do Hospital, gerido pela Pró-Saúde Associação de Assistência Social e Hospitalar, comporta até 12 pessoas. A estrutura conta com uma recepção, quartos femininos e masculinos com beliche e redes, disponibilidade de enxovais para as camas, banheiros com chuveiros e armários de parede para guarda de materiais.

FOTO: CAMILLE NASCIMENTO