Belém já dispõe de novo método de prevenção ao HIV

    Já está disponível em Belém o tratamento de Profilaxia Pré-Exposição ao HIV (PrEP), que é um novo método de prevenção à infecção pelo HIV, voltado para pessoas que tenham maior chance de entrar em contato com o vírus, como gays, homens que fazem sexo com outros homens, trans e trabalhadores do sexo. Disponibilizado pelo Ministério da Saúde, o tratamento e acompanhamento é feito gratuitamente, em âmbito municipal, no Centro de Atenção à Saúde nas Doenças Infecciosas Adquiridas (Casa Dia), de segunda a sexta-feira, de 8h às 17h, e, em âmbito estadual, na Unidade de Referência Especializada em Doenças Infecciosas e Parasitárias Especiais (URE DIPE).

    A PrEP é uma estratégia de prevenção do HIV, que se antecipa ao risco de infecção por meio da combinação de dois medicamentos (tenofovir + entricitabina). “Para ter efeito, a medicação tem que ser tomada todos os dias para que esteja com a concentração suficiente na corrente sanguínea, permitindo o bloqueio do vírus de forma eficiente. A medicação só faz efeito após sete dias de uso contínuo para relação anal e 20 dias para relação vaginal”, explica Cledson Sampaio, coordenador da Referência Técnica de Infecções Sexualmente Transmissíveis, HIV/Aids e Hepatites Virais da Secretaria Municipal de Saúde de Belém.

    Podem também solicitar o uso da PrEP pessoas que frequentemente deixam de usar camisinha em suas relações sexuais (anais ou vaginais); têm relações sexuais, sem camisinha, com alguém que seja HIV positivo e que não esteja em tratamento; fazem uso repetido de PEP (Profilaxia Pós-Exposição ao HIV); e apresentam episódios frequentes de Infecções Sexualmente Transmissíveis.

    De acordo com Cledson, pessoas que se enquadram no perfil da PrEP devem procurar o serviço de saúde para avaliação. “Estamos desde agosto com essa estratégia implantada no município e já temos 31 pessoas cadastradas, fazendo uso dos medicamentos da PrEP. O município tem capacidade para atender até 200 pessoas por ano. Hoje a procura está em cerca de três pessoas por dia, mas todas precisam passar por uma avaliação criteriosa, que define se a pessoa entrará ou não no esquema de profilaxia”, ressalta. Quem entra para o esquema da PrEP deve tomar o medicamento diariamente, fazer exames regulares e buscar a medicação gratuitamente a cada três meses.

    O coordenador alerta que a PrEP deve ser combinada com o uso do preservativo, pois o tratamento não  previne infecções sexualmente transmissíveis, como sífilis, clamídia e gonorréia. “Nós trabalhamos a prevenção combinada, mesmo com o uso de novas tecnologias para o combate ao HIV, o preservativo sempre deve fazer parte da prevenção”, esclarece.

    De acordo com o Sistema de Informação de Agravos de Notificação (Sinan), nos últimos seis anos, Belém notificou mais de 4 mil casos de HIV/Aids em pessoas adultas. Deste total, 515 foram diagnosticadas somente em 2018 (janeiro a novembro).

    SERVIÇO: Profilaxia Pré-Exposição ao HIV (PrEP) disponível Centro de Atenção à Saúde nas Doenças Infecciosas Adquiridas (Casa Dia), de segunda a sexta-feira, de 8h às 17h, e, em âmbito estadual, na Unidade de Referência Especializada em Doenças Infecciosas e Parasitárias Especiais (URE DIPE) para pessoas que se enquadram nos critérios definidos pelo Ministério da Saúde.