Outubro Rosa: Pedal Mulher Nota 100 alerta sobre câncer de mama

    Foto: Divulgação

    Será realizado o Pedal Mulher Nota 100 (MN100), o maior evento de ciclismo feminino do Pará que, desde 2017, reúne 100 mulheres ciclistas para fazerem um percurso de aproximadamente 100 quilômetros. Desta vez o destino é o município de São Caetano de Odivelas (SCO), que fica a 113 quilômetros de Belém.


    Inserido na proposta do Outubro Rosa, que mobiliza vários segmentos num grande alerta mundial sobre a prevenção e diagnóstico precoce do câncer de mama, o objetivo é alertar sobre a doença e incentivar mulheres de todas as idades à prática de atividade física ou esportiva como atitude que ajuda na prevenção de doenças como o câncer.


    Organizado pelos grupos de ciclismo feminino Pedal Delas e Matinal Training, o MN100 conta com a parceria de pessoas e instituições públicas e privadas para garantir toda a infraestrutura necessária para a realização do evento, assim como o sorteio de brindes entre as participantes.


    Pedalar é uma atividade que melhora a saúde cardiovascular, combate a obesidade, ajuda no controle do diabetes, aumenta os níveis de energia, combate o estresse e a depressão, e reduz as chances de câncer nas pessoas que o praticam. Portanto, mulher que pedala, sem dúvida, melhora consideravelmente, a sua saúde geral e eleva a sua qualidade de vida.


    No trajeto até SCO, haverá apoio da Superintendência Executiva de Mobilidade Urbana de Belém (Semob), Polícia Rodoviária Federal (PRF), Polícia Rodoviária Estadual (PRE) e da Secretaria de Estado de Saúde Pública (Sespa) com uma ambulância com equipe médica. As ciclistas também contarão com cinco pontos de hidratação, nos quais receberão, água, barra de cereal e outros itens importantes para manter a energia física.

    Outras informações
    O câncer de mama é uma doença causada pela multiplicação de células anormais da mama, que formam um tumor. Há vários tipos de câncer de mama. Alguns tipos têm desenvolvimento rápido enquanto outros são mais lentos.


    Só em 2017, 267 mulheres morreram no Pará em decorrência da doença, 20 a menos do que foi registrado em 2016. No entanto, o maior número de vítimas fatais foi registrado em 2015, com 314 óbitos. Segundo dados do Instituto Nacional do Câncer (Inca), trata-se do segundo tipo de câncer mais recorrente entre as mulheres residentes no estado, perdendo apenas para o câncer de útero. As estimativas para 2018, no Pará, são 740 novos casos de câncer de mama.


    No que tange às internações por câncer de mama em hospitais estaduais, o número chegou a 386 entre janeiro e julho deste ano, contra 436 em 2017, conforme aponta o Sistema de Informações Hospitalares do SUS (SIH/SUS).


    De acordo com a Sespa, as mobilizações em outubro são importantes para sensibilizar a população feminina sobre a importância dos exames de prevenção e rastreio dessas neoplasias malignas, pois, quanto mais cedo o câncer é descoberto, maiores são as chances de cura.