Popó vence na despedida

27

Quando as luzes do Ginásio “Mangueirinho” se apagaram o foco foi todo para ele: Acelino “Popó” Freitas. O maior campeão brasileiro de boxe, detentor de 4 títulos mundiais, levou a galera ao delírio durante a madrugada deste sábado (12), em Belém, cidade que o atleta escolheu para encerrar a carreira. Era a última vez que o baiano entraria num ringue para mostrar o porque é um dos maiores ídolos brasileiros do esporte.

O adversário foi o mexicano Gabriel “El Rey” Martinez, que deu trabalho ao pugilista brasileiro. Veloz e habilidoso, castigou um pouco o baiano, mas nada que tirasse o protagonismo do anfitrião.  No auge de seus 42 anos, o boxeador mostrou reflexo e muita força. A quem diga que não seria ainda a hora de parar, mas como todo bom campeão, escolheu encerrar a carreira da melhor maneira possível.

Desferindo golpes que levaram o público ao delírio e saindo bem dos ataques do mexicano, o brasileiro emocionou a torcida. Muitos aplausos, gritos, e um público que apoiou o lutador durante oito rounds. No fim, por decisão unânime dos jurados, Popó sagrou-se, mais uma vez vencedor.

“O boxe sempre me deu alegria. O povo paraense é muito especial, as pessoas no Mangueirinho estavam muito empolgadas. Queira ou não a gente tá ali tomando porrada, mas ao mesmo tempo está reparando a emoção das pessoas torcendo, gritando, me incentivando, motivando cada vez mais. Vou sentir muitas saudades dessas vozes: ‘Vai, Popó.

Vai, campeão, derruba'”, disse ele logo após a luta.
Emocionado, ele também revelou que vai sentir falta não só das lutas, mas também da imprensa e do povo paraense. “A falta que eu vou sentir de vocês jornalistas também vai ser grande. Esses dois meses que fiquei aqui em Belém do Pará, recebi um carinho enorme das pessoas, desde o motorista de ônibus, ao empresário, e tudo o que aconteceu hoje só foi possível com o apoio de todos vocês. Essa é uma das cidades brasileiras onde mais se pratica boxe e é o esporte que dá mais títulos a Belém.

Era o sonho do Ulysses que eu lutasse aqui, e foi concretizado com a minha despedida”, comentou.
Na plateia, o público estava satisfeito com o evento. Aline Martins, amiga de uma pugilista que fez a única luta feminina do card, gritava a todo instante palavras de incentivo não só para Rosana Martins, que lutou com a também paraense Débora Guerreiro em uma das lutas preliminares do evento, mas para todos os outros paraenses que subiram no ringue durante o evento.

“Vim assistir a luta da Pimentinha (Rosana Martins) e do Popó. Ela perdeu, mas o que importa é que estou aqui, nesse evento maravilhoso. Nosso ginásio é muito bonito, está pronto para receber as pessoas da melhor forma e estou muito feliz”, comemorou.

Outro que fez sua voz ecoar na Arena Guilherme Paraense, foi Gilvanio Lopes, que nem durante a entrevista parou de gritar. “Vi na televisão a notícia da luta e desde então foi só expectativa, eu adoro boxe, adoro esporte e não podia perder a luta. Muitas vezes vi o Popó ser campeão na televisão e estou muito feliz de estar aqui hoje, ao vivo. Essa iniciativa do Governo do Estado foi muito boa, o Mangueirinho é maravilhoso, ambiente agradável, temperatura ótima, é tudo muito bom, estrutura maravilhosa e todos os paraenses tem que vir aqui”, complementou.
Socel News – Blog do jornalista Celso Freire

Compartilhar