Detentos se preparam para as provas do Enem PPL 2017

24

Em 2017, mais de 700 detentos devem fazer as provas do Exame Nacional de Ensino Médio (Enem) para Pessoas Privadas de Liberdade (PPL). Na busca para adquirir conhecimentos os internos dos presídios de Belém e do interior do Estado começaram a preparação para as provas desde o início do ano.

O detento Francisco Ribeiro, de 55 anos, custodiado no Centro de Recuperação do Coqueiro (CRC), irá fazer a prova pela segunda vez. Ele pretende cursar direito e diz que se sente tão preparado quanto alunos que estão fora do cárcere.

“Nós temos aulas diariamente no período da manhã e da tarde, além disso, também temos acesso a muitos materiais que os professores nos trazem, então só depende da nossa dedicação. Fora o período de aulas, eu estou sempre estudando. Acredito que esse é o passo inicial para quem quer mudanças”, disse o detento.

Na casa penal onde o detento está custodiado há aulas regulares, com professores da Superintendência do Sistema Penitenciário do Estado (Susipe), em parceria com a Secretaria de Educação do Estado (Seduc). Atualmente, cerca de 4 mil detentos estão envolvidos em atividades educacionais dentro dos presídios paraenses. Das 45 unidades prisionais, 36 possuem sala de aula.

“Todos nós da educação procuramos dar o máximo de apoio possível a essas pessoas, justamente com o intuito de que elas também tenham boas oportunidades e nós percebemos que eles são interessados na maioria das vezes. Nós baixamos apostilas para eles estudarem, provas passadas para eles irem treinando e, além disso, temos uma biblioteca com um bom acervo de livros”, destacou Lindomar Espíndola, coordenadora pedagógica do CRC.

“Existe um diferencial entre quem está lá fora e quem está aqui dentro, que é o interesse. Nós não temos o mesmo material que eles, mas com o pouco que temos podemos estudar e nos preparar, além disso, temos acesso ao jornal escrito e a televisão, onde também assistimos os jornais, para ficarmos por dentro dos assuntos da atualidade, o que é essencial para se fazer uma prova do estilo do Enem. Ano passado tiveram colegas aqui que obtiveram notas muito altas e conseguiram conquistar seus objetivos”, avaliou o detento Francisco Ribeiro.

Assim como Francisco, o detento Regicleison Costa, de 34 anos, também tem o sonho de cursar o ensino superior e seguir o mesmo caminho que outros 9 irmãos.

“A minha família é toda formada por pedagogos e somente aqui dentro do presídio eu consegui a oportunidade de lecionar. Eu aprendia mais rápido do que os meus colegas, então sempre que podia passava o meu conhecimento para eles, ajudando o trabalho dos professores, fazendo o serviço de monitoria. Assim foi surgindo e aumentando a vontade de ensinar. Ano passado eu tentei o Enem para o curso de serviço social, mas acredito que a minha vocação é mesmo a pedagogia”, avaliou o detento.

No Centro de Recuperação Regional de Abaetetuba (CRRAB), localizado no nordeste do Pará, o interno Rodrigo Louzada já participa do Enem há três anos. Ele pretende passar no exame e conseguir autorização da Justiça para cursar o ensino superior.

“Fazer uma faculdade é a realização de um sonho. Um sonho não só pra mim, mas pra minha família, e especialmente para minha mãe. Então eu vou tentar até eu consegui a autorização pra estudar”, afirmou.

Com a aprovação no Enem, a Justiça é quem decide se os detentos em regime fechado podem ou não frequentar as aulas na faculdade. A medida só é possível porque o Estado disponibiliza uma tecnologia que permite monitorar os passos dos presos em tempo real, usando apenas uma tornozeleira eletrônica. De acordo com a lei de execução penal a cada 12 horas estudadas, o preso pode receber o direito de diminuir um dia do tempo de reclusão. Segundo a lei, às 12 horas de frequência escolar devem estar divididas em, no mínimo, três dias.

Provas – As provas do Enem PPL serão realizadas nas unidades prisionais nos dias 12 e 13 de dezembro de 2017. No primeiro dia de aplicação do exame serão 90 questões de Linguagens, Códigos e suas Tecnologias, Redação e Ciências Humanas e suas Tecnologias, com duração de 5 horas e 30 minutos, contadas a partir da autorização do aplicador para início das provas.

No segundo dia de aplicação do Exame serão realizadas mais 90 questões de Ciências da Natureza e suas Tecnologias e Matemática e suas Tecnologias, com duração de 4 horas e 30 minutos, contadas a partir da autorização do aplicador para início das provas.

“Em 2016 mais de 1000 detentos fizeram as provas do Enem PPL. Cinquenta e oito foram aprovados para certificação do ensino médio e 36 foram aprovados para curso de nível superior. O mínimo para concorrer é fazer 450 pontos nas disciplinas comuns e 500 pontos na redação, como o Exame esse ano vem para acesso ao ensino superior a pontuação sempre deve ser maior para concorrer as vagas.”, explicou Aline Mesquita, coordenadora de Educação Prisional da Susipe.

Socel News – Blog do jornalista Celso Freire

Compartilhar