Concerto apresenta composições de Pierre Thilloy e a 5ª Sinfonia de Beethoven

Foto: Joel Arthus – Secom Amazonas

A Orquestra Sinfônica do Theatro da Paz (OSTP) apresenta nesta quinta-feira (13), às 20h, concerto com músicas do compositor erudito contemporâneo Pierre Thilloy – a sinfonia “Exil” e o concerto para violino, clarinete e orquestra “Khojaly 613” – na primeira parte do programa, e na segunda executa a 5ª Sinfonia de Beethoven, com regência do maestro titular Miguel Campos Neto. O concerto terá como solistas os músicos Fábio Santos e Márcio Carvalho.

O compositor francês retorna à capital paraense após ter presenteado a cidade, em 2016, com a suíte “Saudades de Belém”, em homenagem aos 400 anos da capital paraense, no Concerto “400 Anos de Música Francesa”, realizado pela OSTP, com apoio da Aliança Francesa e Consulado Francês. A volta de Thilloy, que veio prestigiar a apresentação de suas obras pela OSTP, é fruto da parceria que se originou desde então, com o maestro e com a orquestra.
“Ele escreveu uma peça sobre Belém sem nunca ter estado na cidade, com a visão de uma pessoa de fora, e fez um grande trabalho. Agora iremos executar duas de suas obras, que são exemplos de mistura de um gênero de música absoluta (sinfonia e concerto) com a música programática (poema sinfônico)”, explica Miguel Campos Neto.
Para contrastar com a música contemporânea de Thilloy, o maestro escolheu uma peça conhecida mundialmente para a segunda parte do programa, a clássica  5ª Sinfonia de Beethoven – o que proporciona uma variedade no repertório orquestral, transitando entre períodos diferenciados da música. A realização é da Academia Paraense de Música (APM), Secretaria de Estado de Cultura (Secult) e Governo do Pará, com apoio da Cultura Rede de Comunicação.
Música e sociedade
Pierre Thilloy tem em sua obra musical forte conexão com temáticas de cunho social. Em “Exil” – ou “Exílio”, em tradução para o português – ele se inspirou nos movimentos migratórios mundiais e especialmente do Azerbaijão, onde já morou e possui muitos amigos. Já “Khojaly 613” refere-se ao massacre na cidade de mesmo nome, naquele país, quando 613 pessoas morreram em 25 e 26 de fevereiro de 1992, e foi composta especialmente para lembrar a data.
“Há 20 anos fui convidado para fazer residência em composição no país. Nós, artistas, não estamos lá para fazer guerra no lugar dos militares, mas também não estamos lá para ficar calados. E através dessa obra quis falar desse conflito”, enfatiza.
A perspectiva do compositor em Belém é também fazer intercâmbios artísticos. Natural de Mulhouse, na região da Alsácia, Pierre Thilloy realiza na cidade o Les 2 Mondes Festival, que aproxima a música francesa de outras regiões do mundo. Em 2016, durante quatro dias, a programação incluiu grupos de música e dança do Azerbaijão e do Cazaquistão. “Espero poder levar a música do Pará para o festival. E fazer da Alsácia a porta de entrada dos músicos paraenses na França”, anima-se.

Socel News

LEAVE A REPLY