Conheça os Hunza, o povo que vive até 120 anos

8

Muitas pessoas (amargas por sinal) consideram um sacrifício viver de uma maneira geral. Não é difícil ouvirmos a frase “Deus me livre ficar velho!”, não é mesmo?

Porém, essas pessoas iriam adorar a ideia de envelhecer se conhecessem o povo Hunza: Aos 85 anos de idade com uma aparência de 45, o que acha? Certamente é algo que nenhuma clínica de estética poderia fazer por você.

O povo Hunza ficou conhecido como “o povo que não envelhece”. A tribo fica localizada no Vale de Hunza, nas montanhas do Himalaia, no extremo norte da Índia. A região chamou muito a atenção dos ingleses em 1916, de forma que apelidaram de “Jardim do Éden” do planeta Terra.

Pesquisas foram feitas pelo médico escocês, Dr. Mac Carrisson, que conviveu sete anos com os Hunza e descobriu o segredo da longevidade: a alimentação, constituída a base de cereais integrais, frutas (principalmente o Damasco, considerado sagrado na região), verduras, castanhas e o inusitado pão de Hunza que respeita sempre restrições calóricas. Tudo é 100% orgânico e não contém vitaminas sintéticas nem agrotóxicos e adubos químicos. Tudo isso acaba matando um ser humano rapidamente, o que explica tantos casos de doenças cardíacas, AVCs e cânceres na humanidade.

Os Hunza, segundo o pesquisador, não são nenhum pouco sedentários e tomam apenas duas refeições ao dia. Sabe-se que o exercício em jejum proporciona maiores efeitos de indução enzimática das enzimas antioxidantes, SODCu-Zn citoplasmática e a SODMn mitocondrial e por isso eles se restringem em “beslicar” petiscos, ou seja: um padrão totalmente diferente do que estamos acostumados em nossa indústria do consumo.

O rei Jaman Khan, governador do vale, permitiu a entrada dos ingleses no local no século 20 e assim começou um processo inverso de construção de cultura: as crianças começaram a comer hambúrgueres e tomarem Coca-Cola, de modo que ainda existem pessoas no local que fazem o uso de carnes e alimentos considerados não tão bons para a saúde. Também há escolas inglesas na região, como a Chapursan, Tajik ou Sust.

Via Universo Inteligente


Brasil Universo Digital

Compartilhar