Belém recebe medalhistas paralímpicos em campeonato nacional de Judô para cego

24

Neste sábado (12) o ginásio do Sesi, na avenida Almirante Barroso, sediará a abertura do Grand Prix Infraero de Judô para Cegos – Etapa final. O evento é promovido pela Confederação Brasileira de Desportos de Deficientes Visuais (CBDV) e no Pará terá suporte na organização da Associação de Cegos do Pará (Ascepa), Associação Souza Filho de Artes Marciais (Asfam) e Federação Paraense de Judô (Fepaju). O governo do Estado apoia o evento por meio do Núcleo de Articulação e Cidadania (NAC), que doou 70 quimonos aos atletas e colaborou na realização da competição, e também da Secretaria de Estado de Esporte e Lazer (Seel), com a entrega de 150 uniformes. A cerimônia iniciará às 8h30.
As disputas pelo pódio na categoria adulta envolvem 13 divisões de peso – sete no masculino e seis no feminino – e também a categoria iniciante, onde muitos atletas são revelados todos os anos. Judocas de 14 estados mais o Distrito Federal estão inscritos na competição, somando 200 atletas ao todo, sendo quase 50 do Pará. Entre os participantes estão nomes que representaram o Brasil nos Jogos Paralímpicos Rio 2016, inclusive os medalhistas Antônio Tenório, Wilians Araújo, Lúcia Teixeira e Alana Maldonado.
Esse é o primeiro ano que o Pará recebe o evento e o quarto consecutivo que garante a participação de atletas na competição. No ano passado a Asfam ficou em primeiro lugar no quadro geral de medalhas, com três ouros, uma prata e dois bronzes. A Asfam desenvolve o projeto Dorinha, que garante a pessoas com deficiência a oportunidade de praticar um esporte, no caso o judô. Atualmente, 150 pessoas são beneficiadas pela iniciativa, entre elas crianças com autismo, paralisia cerebral, síndrome de Down, deficientes visuais e físicos.
O Pará é considerado pelo Comitê Paralímpico Brasileiro uma referência em novos talentos e um dos principais polos do esporte paralímpico. Por meio da política inclusiva do Plano Existir e com apoio do NAC, o Estado tem alcançado bons resultados e reconhecimento. Em abril desse ano, o Pará recebeu pela primeira vez o Campeonato Centro-Norte de Goalball, uma preliminar do torneio nacional, que ocorre em Jundiaí (SP), entre os dias 18 e 23 setembro. Na seletiva estadual, a equipe paraense masculina conseguiu se classificar para a etapa brasileira. Em junho, Belém foi escolhida pelo comitê organizador dos Jogos Paralímpicos para representar a região Norte do país no revezamento da tocha paralímpica, que ocorreu em 2 de setembro.
Trabalho – O Núcleo de Esporte e Lazer (NEL) da Secretaria de Estado de Educação, também desenvolve um trabalho especial voltado a alunos com deficiência atendidos na rede pública de ensino, com atividades nas modalidades bocha, futebol de 7, atletismo, judô, goalbal, natação e vôlei sentado. Entre as ações anuais do NEL estão os Jogos Escolares Paralímpicos do Pará, que existem há 12 anos e que têm obtido resultados positivos em todas as modalidades das Paralimpíadas. De 2011 a 2014, os paratletas paraenses conquistaram 105 medalhas de ouro, 82 de prata e 82 de bronze nas Paralimpíadas Escolares Nacionais. O melhor resultado ocorreu em 2013, com a conquista de 111 medalhas. Este ano, 59 paraenses já foram selecionados para participar das Paralimpíadas Escolares Nacionais, no Rio Grande do Norte, entre 23 e 28 de novembro.
Judô – O esporte é praticado por atletas cegos e com deficiência visual que, divididos em categorias por peso, lutam segundo as mesmas regras da Federação Internacional de Judô. Poucos aspectos diferem do judô convencional: os atletas iniciam a luta com a pegada feita (um segurando no quimono do outro), a luta é interrompida quando os oponentes perdem o contato e não há punições para quem sai da área de combate. O esporte é praticado por judocas das três categorias oftalmológicas: B1 (cego), B2 (percepção de vulto) e B3 (definição de imagem). O atleta B1 é identificado com um círculo vermelho em cada ombro do quimono. O sistema de pontuação é igual ao olímpico e sua prática pode ser feita entre atletas cegos e não-cegos.
O judô é a única arte marcial dos Jogos Paraolímpicos e é disputado nas Paralimpíadas desde Seul, em 1988. A estreia das mulheres foi em 2004, nos Jogos de Atenas. No Brasil, começou a ser disputado na década de 1980 e a primeira competição internacional que o país disputou foi o Torneio de Paris, em 1987. No ano seguinte, o Brasil conquistou três medalhas de bronze nas Paralimpíadas de Seul. Segundo os seus praticantes, este esporte ajuda as pessoas com deficiência devido ao aperfeiçoamento do equilíbrio.
Plano Existir – Lançado pelo governo do Estado em 2012 e atualmente vinculado ao NAC, o projeto assumiu o compromisso de garantir ações de natureza transversal a partir dos eixos saúde, educação, acessibilidade e inclusão social, para a promoção dos direitos fundamentais da pessoa com deficiência. No total, 14 ações estruturantes fazem parte do plano, sendo cinco na área da saúde, quatro na área da educação, duas na área de tecnologia, uma na área da assistência, uma na área de habitação e uma na área de esporte. São algumas das ações, por exemplo: promoção de ações preventivas de saúde; aquisição, adaptação e manutenção de órteses e próteses; ampliação do atendimento educacional especializado; concessão de Cheque Moradia especial para pessoas com deficiência; realização de atividades esportivas paralímpicas; criação de linha de fomento para inovação em tecnologia assistiva; capacitação de professores, agentes públicos e da sociedade civil para formação em cidadania e direitos da pessoa com deficiência, entre outros.
São integrantes do Comitê Gestor do Plano Existir: Agência de Regulação e Serviços Públiocos do Pará (Arcon), Companhia de Habitação do Pará (Cohab), Escola de Governança (EGPA), Fundação Amazônia de Amparo a Estudos e Pesquisas (Fapespa), Fundação Carlos Gomes, Fundação Cultural do Pará, NAC, Polícia Militar, Secretaria de Assistência Social, TRabalho, Emprego e Renda (Seaster), Secretaria de Estado de Ciência, Tecnologia e Educação Técnica e Tecnológica (Sectet), Secretaria de Estado de Desenvolvimento Urbano e Obras Públicas (Sedop), Secretaria de Estado de Justiça e Direitos Humanos (Sejudh), Secretaria de Estado de Saúde (Sespa), Secretaria de Estado de Esporte e Lazer (Seel), Secretaria de Estado de Educação (Seduc) e Universidade do Estado do Pará (Uepa).

Socel News

Compartilhar