Gastronomia movimenta o setor econômico do Pará

7
Açaí, farinha e camarão – Foto Dudu Maroja
A Indústria Gastronômica do Pará está em alta. Isso é indiscutível. Nos últimos anos, a culinária paraense ganhou força em todo o Brasil e até mesmo no exterior. No final do ano passado, por exemplo, Belém recebeu o título internacional de Cidade Criativa da Gastronomia, concedido pela Unesco. Mais recentemente, a Assembleia Legislativa do Pará (Alepa) aprovou, por unanimidade, projeto de lei instituindo o Dia Estadual da Culinária Paraense, dia 25 de julho, de autoria do 1º vice-presidente da Casa, deputado Fernando Coimbra (PSL). E o Governo do estado criou o Polo de Gastronomia da Amazônia no Pará, publicado no Diário Oficial do Estado, Decreto nº 1.568, de 17 de junho de 2016. Com todos esses fatores, o incremento ao turismo e o consequente incentivo na indústria são inevitáveis. O polo, que vai funcionar no Complexo Feliz Lusitânia tem o objetivo de consolidar o saber gastronômico, valorizando o conhecimento e a prática da culinária. A ideia é transformar Belém em referência internacional do setor e agregar oportunidades de empreendimento nos setores de alimentos, serviços e turismo e beneficiando a cadeia produtiva ligada à gastronomia.
 
Polo de Gastronomia vai funcionar no Feliz Lusitânia Foto: Eliseu Dias AG.Pará
A expectativa é grande. O Sindicato dos Hotéis, Restaurantes, Bares e Similares do Estado, contabiliza cerca de 150 meios de hospedagem em Belém. Para o diretor jurídico do sindicato, Fernando Soares, a expectativa é que o investimento alavanque também os números do setor e traga a instalação de novos empreendimentos na cidade. Outra entidade que está otimista é o Sindicato dos Taxistas do Município de Belém e do Estado do Pará (Stabepa). Segundo o diretor de comunicação e imprensa da entidade, Francisco Neto, o polo vai possibilitar mais investimento na capacitação dos taxistas. Atualmente, já existem mais de 1,5 mil profissionais do ramo aptos e certificados para atender ao público de fora. Atualmente, Belém conta com 5.425 táxis e 8 mil taxistas.
O governo do Estado investiu mais de R$ 3 bilhões nos últimos quatro anos em transporte, mobilidade urbana, saneamento básico e habitação, reconstruindo as bases da infraestrutura. E cada vez mais se visita o Pará: de 2011 a 2014, o número de turistas saltou de 700 mil para mais de um milhão. Um dos resultados desse crescimento foi um incremento de 40% na geração de empregos no setor, com mais de 115 mil postos em 2014.
Festival Ver-o-Peso atrai atenção do exterior
Iniciativas de entidades privadas também chamam atenção e ajudam na divulgação da gastronomia paraense. O Festival Ver-o-Peso da Cozinha Paraense pode ser considerado um exemplo. Criado com o intuito de promover o contato de chefs do Brasil e do exterior com a gastronomia Paraense, seus ingredientes e sua cultura, o evento é realizado desde o ano 2000, em Belém, e foi idealizado pelo chef paraense Paulo Martins (in memorian), que desde a década de 1990, já divulgava a gastronomia paraense para o Brasil e até para o mundo. Após seu falecimento, coube a sua esposa Tania Martins, e suas filhas, Daniela e Joanna Martins continuar à organização do evento, agora sob responsabilidade do Instituto Paulo Martins (IPM). “O Festival vem ampliando seu leque de atuação com objetivo de proporcionar um maior conhecimento da gastronomia regional brasileira e uma interação mais intensa com o mercado e o público em geral”, ressaltou Joanna Martins, diretora executiva do Instituto Paulo Martins.

 

OBS: Essa é a primeira de uma série de três reportagens sobre a Indústria Culinária Paraense

Primeira reportagem especial Celso Freire

Socel News

Compartilhar