Desculpa, amigo(a), eu não preciso da sua amizade de conveniência

61

Desculpa amigo, eu não preciso da sua amizade por conveniência. Dispenso a sua falsa preocupação e o seu esforço fingido em tentar me agradar, enquanto pede mil favores que exigem muito mais de mim do que de você.

Desculpa, amigo(a), eu não preciso da sua amizade de conveniência

Até mesmo porque nós dois sabemos  que basta eu dizer um único não para que você decida me excluir da sua lista de amigos  por não me julgar merecedor. E no fundo você tem mesmo razão.

Eu sou digno de muito mais do que as esmolas de restos sentimentais que você joga para mim fingindo que são tesouros. Ainda bem que eu percebi a tempo para não me machucar demais.

E já que dizem que nós atraímos pessoas semelhantes, preciso confessar que me sinto aliviado por ter me afastado de você, pois isso prova que não somos iguais. Eu jamais teria te excluído da minha vida por tão pouco. E por mais que eu tenha demorado, finalmente percebi que essa foi a melhor coisa que você poderia ter feito por mim.

Você pode até  estranhar o fato de eu não me desfazer das minhas amizades com a mesma facilidade que você. Sabe o quê é? É que eu aprendi que ninguém vai cumprir todas as nossas expectativas e que todos têm seus próprios demônios para enfrentar, além de mil problemas para resolver. O fato de um amigo não estar disponível todas as vezes em que preciso dele,  não deve ser motivo para que eu o trate como algo descartável.

E mesmo achando improvável, eu espero que a vida te ensine sem que você precise se machucar tanto para aprender. Desejo que um dia você acorde mais disposto a agradecer do que a exigir, a valorizar do que a criticar e a ganhar do que a perder. Que os seus olhos enxerguem mais a você mesmo do que ao outro, para que assim você perceba que os defeitos que você insiste em criticar, na “legião de ex-amigos” que você mesmo construiu,  na verdade pertencem a você.

Tomara que você não perceba tarde demais o quanto você se isola por não saber se doar enquanto exige tudo do outro. Rezo para que um dia você finalmente entenda que amigos são pontes e não degraus. E que a Ilha em que você se transformou possa ao menos ser habitada, mesmo que minimamente.

Desculpa, amigo(a), eu não preciso da sua amizade de conveniência
Desculpa, amigo(a), eu não preciso da sua amizade de conveniência

Segue em paz, mas por favor não volte a cruzar o meu caminho enquanto você não souber ser via de mão dupla. O mundo está repleto de vias únicas e eu não preciso de pessoas que pedem tudo sem ao menos me estenderem a mão de volta.


Por Priscilla Tenorio

O post Desculpa, amigo(a), eu não preciso da sua amizade de conveniência apareceu primeiro em Pensador Anônimo.

Pensador Anônimo

Compartilhar